Presidente do Palmeiras critica divisão de cotas de televisão, diz que Globo deve ser mais justa


Em entrevista ao UOL Esporte, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, se mostrou favorável a uma distribuição mais justa dos recursos das cotas de televisão, que estão de forma muito desigual.

"Sinto que existe vontade (de rediscutir o modelo) de uma maioria muito apertada, e não existe de uma esmagadora minoria que tem uma vantagem muito grande em relação aos demais. A maneira que se distribui também precisa  ser aperfeiçoada. Quando  voceê assina um pacote de Pay Per View ninguém pergunta que time torce. É feito tudo pelo Ibope, tomando como base as capitais. O Palmeiras tem grande parte da torcida dele no interior. Até outro dia, a cidade de Santos não era considerada", explicou Nobre.

O alviverde, recentemente, teve menos partidas transmitidas do que seus principais rivais. No ano passado, Palmeiras e Santos juntos tiveram seis jogos a menos na TV do que o Corinthians e dois a menos que o São Paulo.

Na análise do mandatário alviverde, no longo prazo, a discrepância entre as cotas pode levar o Brasileirão para um rumo similar ao do Campeonato Espanhol, que quase todo ano tem Barcelona ou Real Madrid como campeões. Isso poderia atingir a competitividade do futebol brasileiro, um de seus maiores atrativos.

"Precisa tomar cuidado para não "espanholizar"o futebol brasileiro. Você não pode ter dois clubes ganhando muito mais do que todos os clubes. A magia do futebol brasileiro está no fato de que no inicio da temporada, de 20 clubes, 12 são candidatos ao título. Em 2013, ninguém falava do Cruzeiro. Na história do Brasileiro, quantos clubes já foram campeões? É lindo isso. É diferente de outros lugares onde dois são campeões, um terceiro de vez em quando, um quarto a cada 50 anos. Não pode acabar isso no futebol brasileiro. Hoje a coisa não está tão equilibrada".

Apesar de acreditar que o modelo precisa ser repensado, Nobre reconhece que houve evolução nos últimos anos. "Tenho certeza que a TV tenta encontrar a forma mais justa de fazer isso, e que a cada renovação se esforce para tornar ainda mais justo".

O Palmeiras têm reduzido sua dependência de receitas de televisão e tem faturado em outras frentes, como a bilheteria do Allianz Parque, o programa sócio-torcedor Avanti e os diferentes patrocínios com o grupo empresarial da Crefisa. Hoje, o clube vive uma situação financeira saudável e é o único dos quatro grandes do estado que não atrasou salários ou direitos de imagem de seus atletas.

O caminho para o aperfeiçoamento da distribuição das cotas de televisão do futebol brasileiro é um só, e passa por uma união de clubes. Nobre acha que isso pode acontecer, mas não vê isso acontecendo neste momento.

"Não vejo como inviável, acho factível se pensar nisso, mas hoje não estou sentindo que isso esteja acontecendo", finalizou.


Baixe o aplicativo para Smartphones e Tablets.
Curta nossa página no Facebook
Siga nosso perfil no Twitter.
Compartilhe no Google Plus

Por Vevé Prado

Para entrar em contato com o editor - Email: midiaesportiva@hotmail.com / Celular e WhatsApp: (81)996331508.