Neto volta a detonar ambiente da Band: “gente reclamando pelos cantos”


Após dizer no programa Tête-à-Tête com Téo, do Bandsports, no último domingo, que “tem traíra pra cara…'' na televisão e que por isso é um lugar de difícil convivência, Neto voltou a reclamar do ambiente nos bastidores da TV nesta terça, agora, ao vivo, em seu Os Donos da Bola, na Band.

“Muita gente fica reclamando pelos cantos. Deveria repensar o que teve de oportunidade aqui dentro, parar de encher o saco toda hora pelos cantos aí. Quem não tive satisfeito, pede o boné. Como em qualquer lugar, qualquer empresa. É isso que tem que fazer'', disparou.

“Ah, vão plantar batata, pô. Vá tomar banho na soda. Eu queria falar é outra coisa. É que eu não posso. Um dia eu vou poder, aí eu já saio pela porta e vou direto pra minha casa, detonou Neto no ar, que defendeu a emissora.

“Algum dia atrasou salário nosso aqui? Tenho 12 anos de Band, nunca cheguei atrasado, porque meu salário sempre foi pago em dia. O Grupo Bandeirantes aqui dá oportunidade pra todo mundo. Tem problemas? É óbvio que tem, mas as pessoas têm que trabalhar é com dedicação'', deu o recado o ex-jogador comentarista e apresentador esportivo.

Em entrevista gravada que foi exibida no domingo pelo canal fechado Bandsports, Neto reclamou a Téo José, entrevistador do programa Tête-à-Tête com Téo, do ambiente na televisão, segundo ele repleto de “traíras''.

“Tem uns caras que estão do seu lado ali, mas querem te dar facada nas costas. O cara torce para você dar menos audiência, estar com gripe, com uma amídala desse tamanho para você não fazer o jogo. Tem uns aí que eu tenho vontade de meter a porrada'', declarou ali, chamando, inclusive colegas comentaristas de outras TVs, ex-jogadores como ele e analistas jornalistas, de “pipocas''.

“Só falam aquele bê-a-bá, não dão pau em ninguém, têm medo da CBF, da federação, medo de tudo. São uns pipoca pra caramba e eu nunca fui pipoca. Aí paguei um preço caro por isso, porque tem um preconceito desgraçado'', queixou-se.

“Tem muito cara que trabalha de comentarista, ex-jogador ou letrado, que não sabe absolutamente nada e fica contando mentira na televisão: ah, 4-4-1, 5-5-não sei o quê. É tudo mentira, você não consegue enxergar isso dentro do campo, não consegue mostrar pro cara que está em casa esse tipo de coisa. Por isso que eu sou comentarista de bola'', afirmou.

Na oportunidade, Neto também contou ter sofrido de síndrome do pânico e da depressão que tem até hoje e do quanto a doença o afeta. “Ultimamente estou meio estressado, porque eu tive síndrome do pânico, tenho depressão, um negócio muito difícil de conviver. Tive uma crise há uns 15, 20 dias atrás. Essa doença me consome muito e pouca gente sabe disso.''

A informação é do UOL Esporte.


Baixe o aplicativo para Smartphones e Tablets.
Curta nossa página no Facebook
Siga nosso perfil no Twitter.
Compartilhe no Google Plus

Por Vevé Prado

Para entrar em contato com o editor - Email: midiaesportiva@hotmail.com / Celular e WhatsApp: (81)996331508.