Proposta da Globo para prorrogar contrato de TV do Brasileiro não satisfazem desejo de principais clubes


Ao se sentar na mesa para convencer os clubes a prorrogar o contrato de TV do Brasileiro até 2020, o executivo de esportes da Rede Globo, Marcelo Campos Pinto, carrega diversos números: dentre eles, a projeção de ganhos ao longo dos anos, a proposta financeira para estender o acordo e comparativos da divisão de dinheiro com ligas européias para desmistificar uma eventual 'espanholização'.

Segundo informações apresentadas pela ESPN.com.br, a emissora carioca se baseia em estudos para mostrar que o cenário local está distante do observado na Espanha, com Barcelona e Real Madrid.

De acordo com levantamento apresentado por Marcelo Campos aos times, Barça e Real ficam com aproximadamente 40% de toda a arrecadação com TV em seu país. O mesmo, segundo ele, está longe de acontecer no Brasil: a porcentagem que cabe a Flamengo e Corinthians não ultrapassaria 20%.

A maioria das equipes rejeitou inicialmente a tentativa da Globo de renovar os direitos de transmissão do Brasileiro por mais duas temporadas. "É um modelo falacioso", rebate o presidente do Santos, Modesto Roma.

"Mas o problema não é esse", prossegue. "O problema é a falta de interesse comercial. É simples: quando a proposta é boa, a gente faz negócio; quando não é, a gente não faz. Tivemos a reunião, sim, mas o formato que nos foi apresentado não nos interessou. Os valores não foram interessantes e atrativos", conclui.

"Tivemos uma conversa preliminar, mas não ficamos satisfeitos com o que ouvimos. A proposta para prorrogar o acordo não vem acompanhada por luvas como a de 2012", diz o cruzeirense Gilvan Tavares.

Naquela ocasião, a renovação do acordo foi acompanhada por luvas que chegaram a R$ 30 milhões.

"Na verdade, não são luvas. É um dinheiro que teríamos direito a antecipar. Teve a oferta, mas não negociamos. Não temos prazo ou mesmo pressão para isso", explica o mandatário do Atlético-MG, Daniel Nepomuceno.

O gremista Romildo Bolzan Jr. também adota a cautela. "Nós recebemos a proposta e estamos avaliando. Enquanto estivermos conversando, prefiro não entrar em maiores detalhes (sobre estudos apresentados pela Globo para 'minimizar' uma suposta 'espanholização')", afirma.

Marcelo Campos Pinto deixou os dirigentes à vontade para fazer uma contra-proposta. O objetivo é voltar a se encontrar até o fim do ano. Ao todo, 18 times contam com acordo com a emissora por mais três temporadas: Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Flamengo, Vasco, Fluminense, Botafogo, Grêmio, Inter, Atlético-MG, Cruzeiro Coritiba, Atlético-PR, Goiás, Bahia, Vitória e Sport.

O principal receio da emissora é a promessa da Sul-Minas-Rio de se tornar, de fato, embrião de uma liga nacional. Os cartolas, ainda assim, asseguram que, em nenhum momento, o assunto foi mencionado por Marcelo Campos.

No fim do mês passado, em visita ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, os dirigentes chegaram a fazer um pedido especial antes de entrar em sua sala: não queriam que o executivo da Globo, que também se encontrava no prédio, participasse da discussão sobre o novo campeonato.

O novo contrato do Brasileirão entra em vigor a partir de 2016 e tem duração até 2018.


Baixe o aplicativo para Smartphones e Tablets.
Curta nossa página no Facebook
Siga nosso perfil no Twitter.
Compartilhe no Google Plus

Por Vevé Prado

Para entrar em contato com o editor - Email: midiaesportiva@hotmail.com / Celular e WhatsApp: (81)996331508.