Com nova postura no futebol, Globo pode deixar de "salvar" clubes de dívidas


O Grupo Globo oficializou na última quinta-feira (05) uma mudança significativa em seu departamento de esporte. Marcelo Campos Pinto (foto), que trabalha na emissora desde 1994 e é atualmente o principal executivo na área, vai se aposentar no fim de 2015, em processo que, foi acelerado internamente por causa dos recentes escândalos na Fifa. E isso vai influenciar o dia a dia do seu clube.

Campos Pinto era extremamente próximo do poder no futebol brasileiro. O executivo dava expediente na CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e conduzia pessoalmente as negociações de contratos de mídia com as equipes nacionais. A partir de 2016, o cargo dele será ocupado por Pedro Garcia, egresso dos canais Combate, Premiere e Sportv, que terá menos poder do que o atual diretor – será subordinado a um comitê de três dirigentes.

As mudanças no esporte da Globo coincidem com a presença cada vez mais constante de Roberto Marinho Neto, 31, filho de Roberto Irineu Marinho e herdeiro do Grupo Globo. Desde 2014, quando Marinho Neto se aproximou da área, a Globo mudou sua política financeira com os times brasileiros. Depois de ter sido acionada judicialmente por um débito contraído pelo Botafogo, a emissora resolveu limitar a antecipação de pagamentos e interrompeu drasticamente a prática de avalizar empréstimos. Isso teve impacto determinante no fluxo de caixa das principais equipes nacionais.

A saída de Campos Pinto deve aprofundar essa mudança. A Globo, que anteriormente funcionou como esteio financeiro dos clubes brasileiros e usou isso para construir relações políticas, vai deixar de atuar dessa maneira.


Qual é a importância da Globo para o seu time
Times que detém os maiores contratos com a emissora, Corinthians e Flamengo recebem R$ 110 milhões por direitos de mídia no atual acordo – o montante subirá para R$ 170 milhões a partir de 2016. Isso representa, no caso dos cariocas, um terço do faturamento total (R$ 347 milhões). Para os paulistas, o peso é ainda maior (a equipe alvinegra teve R$ 258 milhões de receita em 2014).
Há variações percentuais no peso que a Globo tem para o faturamento dos clubes, é claro, mas o exemplo dos dois maiores contratos com a emissora mostra o quanto esse dinheiro é significativo para o fluxo de caixa do futebol nacional.
A dívida total dos clubes brasileiros, considerando apenas os 12 principais, ultrapassa a casa de R$ 5 bilhões. O líder é o Botafogo, que acumulou déficit de R$ 848 milhões (aumento de R$ 149 milhões entre 2013 e 2014). Esse valor não inclui números como o que o Corinthians ainda precisa pagar por seu estádio (o time paulista deve algo em torno de R$ 314 milhões, mas ainda tem pelo menos R$ 800 milhões a desembolsar pela arena erguida em Itaquera).
Ranking: as dívidas dos clubes brasileiros (números retirados dos balanços de 2014, publicados em abril de 2015)
Botafogo – R$ 848 milhões
Flamengo – R$ 698 milhões
Vasco – R$ 597 milhões
Atlético-MG – R$ 487 milhões
Fluminense – R$ 440 milhões
Grêmio – R$ 383 milhões
Santos – R$ 373 milhões
São Paulo – R$ 341 milhões
Palmeiras – R$ 333 milhões
Corinthians R$ 314 milhões
Internacional – R$ 280 milhões
Cruzeiro – R$ 253 milhões
O que a TV tem a ver com isso
Com tanto déficit acumulado e uma dependência enorme do dinheiro oriundo da TV, tornou-se corriqueiro o uso dos contratos com a Globo para garantia de fluxo de caixa. Clubes que não tinham como pagar contas urgentes recorriam à parceira, que criou dois mecanismos para auxílio financeiro.
O primeiro desses mecanismos é mais simples e direto: a Globo passou a adiantar valores referentes a contratos futuros. Se um clube não tinha dinheiro para bancar algo urgente, debelava a receita a que teria direito em temporadas seguintes.
A Globo também funcionou como uma espécie de avalista dos clubes. Quando uma equipe tinha dívidas e precisava de dinheiro, recorria a instituições financeiras e usava como garantia os valores de contratos com a emissora.
Os dois modelos são lícitos, mas contribuem para a criação de uma relação de dependência. Como têm dívidas com a Globo, clubes ficam atrelados a ela e perdem poder de negociação em contratos futuros.
O caso Botafogo
Em 2014, um oficial de Justiça interpelou a Globo por uma dívida de R$ 9 milhões que havia sido contraída pelo Botafogo. O time carioca usou o segundo modelo e colocou o contrato com a emissora como garantia do empréstimo. Na visão dos advogados que cuidaram do caso, isso colocou a emissora como avalista de forma indireta.
A notificação judicial foi recebida (e contestada) por um alto dirigente da Globo, que recorreu ao departamento jurídico da emissora. Internamente, a conclusão foi a mesma dos tribunais.
De imediato, a Globo notificou os clubes que interromperia o uso de contratos de TV como garantia para tomada de empréstimos. Além disso, limitou drasticamente a liberação de valores adiantados de contratos vindouros.
As mudanças no esporte da Globo
O caso Botafogo e a alteração na política de empréstimos da Globo coincidiram com uma importante mudança no organograma da emissora: Roberto Marinho Neto, único herdeiro apaixonado por esporte na família que comanda a empresa, resolveu se aproximar da área.
Neto assumiu gradativamente um espaço maior no cotidiano do esporte da Globo, com um peso determinante nas decisões estratégicas do canal. E quando isso aconteceu, o controle sobre o dinheiro passou a ser ainda maior.
A presença dele acabou com casos como o do São Paulo, que tomou R$ 50 milhões diretamente da Globo em 2014. O time do Morumbi adiantou receitas de contratos com vencimento até 2017, recebeu o dinheiro à vista e se comprometeu com taxa de juros em torno de 1,5%.
A mudança de postura da Globo, contudo, não é um caso isolado. Os clubes também sofreram impactos de aspectos como concentração de investimento de patrocinadores na Copa do Mundo de 2014, retração da economia e alta do dólar. Todos esses aspectos tiveram peso na questão dos atrasos salariais. O reflexo direto disso foi uma mudança de patamar na economia do futebol local – incremento de saída de atletas e redução de folhas salariais, por exemplo.
Com informações do UOL Esporte, por Guilherme Costa e Pedro Ivo Almeida




Baixe o aplicativo para Smartphones e Tablets.
Curta nossa página no Facebook
Siga nosso perfil no Twitter.
Compartilhe no Google Plus

Por Vevé Prado

Para entrar em contato com o editor - Email: midiaesportiva@hotmail.com / Celular e WhatsApp: (81)996331508.