Equipe da Band foi agredida e sofreu preconceito racista por torcedores alemães na Eurocopa



Dois profissionais da TV Bandeirantes sofreram agressões físicas e racistas durante a cobertura da Eurocopa. O cinegrafista Fernando Henrique de Oliveira, de 33 anos, e a repórter Sonia Blota, 45, foram cercados por um grupo de torcedores alemães em Paris, antes do jogo contra a Polônia, pelo Grupo C.

Fernando Henrique foi agredido com tapa no rosto, e Sonia Blota levou um chute, enquanto realizavam uma reportagem próxima à estação de trens Gare du Nord, no centro de Paris. Torcedores alemães e poloneses utilizaram o meio de transporte para chegar ao Stade de France, local do jogo.

Além das agressões físicas, os alemães cometeram racismo e gritaram 'Get out, niggars!' (Fora seus negros) para o cinegrafista, que é negro. “Era para ser um momento de alegria, não de ter esse tipo de injustiça, de ser agredido por ser mulher (Sonia) e eu por ser negro”, declarou Fernando Henrique - veja o relato abaixo.



“Euro 2016. A alegria das torcidas faz parte da maior festa do futebol na Europa. Mas é deprimente saber que existe uma minoria que só usa o futebol para gerar violência. Estávamos preparando uma reportagem sobre comportamento entre torcidas no dia de Alemanha e Polônia, quando de repente fomos abordados por um grupo vestindo camisas e chapéus do time alemão que logo nos fechou em uma roda e nos agrediu. Em inglês, gritaram algo como ‘fora seus negros’. Enquanto o Fernando, meu cinegrafista e amigo tentava me proteger, levou um tapa na cara. Eu um pontapé na perna esquerda. A policia bem ao lado não reagiu, alegando que não houve ferimentos graves, que não estávamos sangrando. Aí fizemos todo procedimento quanto ao boletim de ocorrência e, segundo os policiais, tratavam-se de hooligans – torcedores violentos e racistas. A expressão hooligan, que antes era exclusiva do torcedor inglês violento – agora se generalizou pela Europa. Há hooligans de vários outros países. Uma minoria que atrapalha a verdadeira festa do futebol . Felizmente, as agressões físicas foram leves, mas a maior dor foi na alma”, contou Sonia Blota.

O cinegrafista da Band conseguiu registrar imagens do grupo de agressores. Os dois prestaram queixa à polícia, que num primeiro momento se recusou a intervir no caso.


Baixe o aplicativo para Smartphones e Tablets.
Curta nossa página no Facebook
Siga nosso perfil no Twitter.
Compartilhe no Google Plus

Por Vevé Prado

Para entrar em contato com o editor - Email: midiaesportiva@hotmail.com / Celular e WhatsApp: (81)996331508.